Cláudio Sant'Ana - Violão e Arte

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Artigos Artes A FUNÇÃO DA ARTE

A FUNÇÃO DA ARTE

E-mail Print PDF

Autor desconhecido

A palavra ARTE, em latim ars, artis,, vem de ágere, que significa agir. Portanto, arte é ação, assim como o artista é o agente em cujo trabalho sempre encontraremos o reflexo de uma época. Desta forma, uma das funções da arte é a de documentar os fatos. É bom lembrar que, se temos condições de saber muito da pré-história e de civilizações remotas, é também por meio da arte deixada pelo homem que podemos saber os valores e o estágio de civilização de quem a realizou. Quando falamos sobre valores em Arte, referimo-nos à Estética. Ela surgiu como uma nova disciplina filosófica no século XVIII, com o objetivo de estudar o Belo e suas manifestações na arte. Percebemos, no entanto, que o Belo é relativo, dependendo também dos padrões determinados em umaépoca ou região. Esses padrões variam conforme interesses sociais do momento. Tomando como exemplo o enaltecer da magreza, no nosso século, contrapondo a “obesidade” do século passado, notamos que o interesse social está, neste caso, na medicina que concluiu que a gordura é maléfica à saúde. Logo o maléfico não pode ser belo. Mas o que hoje qualificamos de obeso, não é compatível, com o conceito de outras épocas. Basta notarmos
alguns nus de obras realizadas até o fim do século passado: a gordura estava diretamente relacionada com status , assim como a cor branca da pele, pois, morena, bronzeada, significaria o trabalho sob o sol e, isso, não tinha nada de belo, visto que o trabalho não intelectual era considerado humilhante. As mudanças de padrões são decorrentes do aparecimento de idéias novas, e introduzir uma idéia nova não é fácil, pois o homem, por natureza, é extremamente conservador. O novo exige mudança e isso dá trabalho, gera atrito, e, é mais cômodo ficar apenas no domínio do já conhecido. Por isso o novo incomoda. O artista sempre apresenta idéias novas que são, em princípio, recusadas por contestarem o que está acontecendo, agredindo os valores do momento. Vejamos os impressionistas no fim do século passado: totalmente inovadores a nível da proposta pictória e composicional, tanto quanto recusados em sua época. Hoje, suas obras são valorizadíssimas no mercado de arte: décadas se passaram para que fossem compreendidos e apreciados.
Entretanto, os meios de comunicação vigentes nesta nossa era propiciam mudanças de costumes, gostos e valores de modo extremamente rápido, o que não acontecia antes do rádio e da televisão. Hoje, somos muito suscetíveis à manipulação feita pelas estratégias de propaganda. Lança-se um produto que deve ser “consumido” para ser sucesso. Madonna, por exemplo, tem tipo físico roliço e ditou facilmente essa característica na geração 80, substituindo de modo rápido a “moda esquelética” ditada por Twiggy, famosa modelo da década de 70, e que levou muitas moças ao sofrimento com regimes exaustivos por desejarem um tipo físico que não era o seu. Se analisarmos a função a Arte e do artista nas diferentes épocas, perceberemos que será específica para cada momento. Mas, o artista sempre foi colocado à margem da sociedade por diversos motivos. Hoje ele é
considerado a figura exótica porque propõe o novo, questiona o antigo, delata, denuncia, enfim, incomoda essa sociedade tão fortificada pelos seus valores.No entanto, seu trabalho é apreciado e tão intenso é o poder da sua arte como meio de comunicação que nos governos não democráticos são os artistas os primeiros a serem perseguidos, a tal ponto que são forçados a abandonar seus países. Por outro lado, eles também são procurados para a tarefa da divulgação de uma idéia, atingindo grandes massas. A Arte está presente em todos os momentos de nossas vidas. Talvez fosse necessário que ela desaparecesse por algumas horas apenas, para que pudéssemos perceber realmente o quanto ela está presente e diretamente ligada ao homem. Não se têm notícias de civilizações que não realizaram a sua arte; desde a mais primitiva à mais civilizada, da mais antiga à mais atual, a arte sempre foi manifestada. Só precisamos nos despertar para ela e usufruir dessa riquíssima fonte de comunicação, expressão e informação para nos aprimorarmos tanto materialmente como espiritualmente. Espiritualmente porque a arte possui também a função catártica. Quem de nós ainda não sentiu a mais profunda emoção ao ouvir uma música? Um misto de alegria, com vontade de chorar, sensação de êxtase, delírio, mesmo que seja cantada em outra língua que não conhecemos? Essa é uma prova que ela atinge a alma.
Por fim, o estudo da arte leva ao cumprimento de sua função poética, isto é, a de fornecer novos conhecimentos, colaborando para que nossas atitudes sejam sempre fundamentadas no saber, como pregou Kant: “Saber para prover”.

extraído o texto integral do material desenvolvido pela CGE COORDENADORIA DO GOVERNO ELETRÔNICO

 
Banner